• Instituto Vértebra

Cirurgia para Estenose Lombar: riscos e complicações

A cirurgia de laminectomia lombar aberta é um procedimento comum usado para tratar os sintomas de estenose espinhal. Embora as complicações desta cirurgia sejam raras, pode haver alguns fatores de risco que podem atrasar ou impedir o sucesso da cirurgia.

Fatores de risco para cirurgia de laminectomia aberta lombar.


Alguns fatores de risco podem aumentar a probabilidade de complicações durante ou após a cirurgia de laminectomia lombar. Alguns exemplos desses riscos incluem:


Fumar -  O tabagismo é um grande fator de complicação antes e depois de qualquer cirurgia da coluna vertebral, incluindo laminectomia lombar. Fumar pode:


· Causar infecções pós-cirúrgicas


· Diminuir a eficácia da cirurgia


Causar pseudoartrose ou não união dos segmentos tratados (se a fusão foi realizada).


Osteoporose -  A osteoporose é uma condição óssea que causa ossos fracos e quebradiços. Essa condição pode causar fraturas fáceis, quebra do tecido ósseo e pode ser um risco para pacientes com laminectomia.


Condições associadas - A laminectomia lombar para estenose espinhal é normalmente realizada na faixa etária mais avançada, propensa a condições sistêmicas. A presença de outras condições, como doenças cardíacas ou diabetes, pode retardar o processo de recuperação ou levar a complicações sistêmicas. A artrite pré-existente das facetas pode resultar em dor lombar contínua, mesmo após a laminectomia ser concluída com sucesso.


Problemas de saúde mental - Ansiedade, depressão e outros problemas de saúde mental antes de uma cirurgia de laminectomia podem resultar em resultados cirúrgicos ineficientes. Essas condições podem causar baixa adesão do paciente, baixa adesão aos programas de reabilitação pós-cirúrgica e menor tolerância à dor. A saúde geral e a melhoria do paciente podem estar comprometidas.


Cirurgias anteriores no mesmo nível (Reoperação) - Em geral, a realização de uma segunda cirurgia no nível da coluna vertebral que havia sido operada anteriormente tem uma taxa mais baixa de resultado bem-sucedido.


É recomendável discutir problemas de saúde anteriores, preocupações e quaisquer problemas de saúde mental com o médico antes de decidir fazer uma cirurgia de laminectomia. Na maioria dos casos, esses problemas podem ser acompanhados com um gerenciamento médico e psicológico adequado, antes e após a cirurgia.


Como todos os procedimentos cirúrgicos, a cirurgia de descompressão lombar apresenta risco de complicações.


Sintomas recorrentes ou contínuos


A cirurgia de descompressão lombar geralmente é eficaz no alívio de sintomas como dor nas pernas e dormência. No entanto, algumas pessoas continuam apresentando sintomas após a cirurgia ou desenvolvem sintomas novamente alguns meses ou anos depois da cirurgia.


Os sintomas recorrentes podem ser causados​​por uma coluna enfraquecida, outro  disco escorregado (espondilolistese degenerativa) ou a formação de novo osso ou ligamento espessado que exerce pressão sobre a medula espinhal. Às vezes, a cicatrização ao redor dos nervos também pode se desenvolver após a cirurgia, o que pode causar sintomas semelhantes à compressão do nervo.

Tratamentos não cirúrgicos como  fisioterapia por exemplo, geralmente serão indicados/tentados primeiro. Se os sintomas persistirem, outras cirurgias podem ser necessárias. As operações repetidas/reoperações têm um risco maior de complicações do que as primeiras operações.


Infelizmente, não há tratamento eficaz para cicatrizes nos nervos. No entanto, você pode reduzir o risco de cicatrizes fazendo exercícios regulares, conforme recomendado pelo seu fisioterapeuta após a cirurgia.


Infecção


Uma das complicações mais comuns é uma infecção onde a incisão foi feita. Geralmente, pode ser tratado com sucesso com antibióticos .


Coágulos de sangue


Existe o risco de desenvolver um coágulo sanguíneo  após a cirurgia de descompressão lombar, principalmente na perna. Isso é conhecido como trombose venosa profunda (TVP) .  


A TVP pode causar dor e inchaço na perna e, em casos raros, pode levar a um problema grave chamado embolia pulmonar . É aqui que um pedaço do coágulo sanguíneo se rompe e bloqueia um dos vasos sanguíneos nos pulmões.


O risco de desenvolver um coágulo sanguíneo pode ser reduzido significativamente, mantendo-se ativo durante a recuperação ou usando meias de compressão para ajudar a melhorar o fluxo sanguíneo. 


Fístula Liquórica (lesão da dura-máter – membrana que protege os nervos)


Existe o risco de uma ruptura dural durante todos os tipos de cirurgia da coluna vertebral, incluindo a cirurgia de descompressão lombar. A dura-máter é uma membrana  de tecido conjuntivo que cobre a medula espinhal e os nervos espinhais.

Se a fístula não for identificada e reparada no momento da cirurgia, pode causar vazamento do líquido cefalorraquidiano (LCR) após o procedimento.


Seu cirurgião estará ciente do risco de uma fístula dural e, se isso ocorrer,  fechará com pontos e cola especial. Na maioria dos casos, o reparo é bem-sucedido e não há mais problemas ou questões. No entanto, outras cirurgias corretivas podem ser necessárias em um pequeno número de casos. No entanto, pequenos vazamentos às vezes só se tornam aparentes após a operação, causando problemas como dor de cabeça e abaulamento da ferida, inclusive saída de líquor (LCR). Nestes casos poderá ser necessário mais uma cirurgia para o devido reparo.


Feridas faciais e perda de visão


Quando você estiver posicionado na maca com a face para baixo durante a cirurgia de descompressão lombar, você estará apoiando a testa e o queixo enquanto a operação é realizada. O anestesista irá verificar regularmente para garantir que isso não esteja causando problemas, mas muitas pessoas acordarão com um rosto levemente inchado. Em alguns casos, pode surgir uma ferida vermelha na testa ou no queixo, que pode durar vários dias.


Lesão nervosa e paralisia


      Alguns pacientes submetidos à cirurgia de descompressão lombar desenvolverão nova dormência ou fraqueza em uma ou ambas as pernas como resultado da operação.

A paralisia  é uma complicação incomum, mas grave, que pode ocorrer como resultado de uma cirurgia de descompressão lombar.

Lesões nervosas e paralisia podem ser causadas por vários problemas diferentes, incluindo:

  • sangramento no interior da coluna vertebral (hematoma extradural da coluna vertebral)

  • vazamento de líquido espinhal (durotomia incidental)

  • danos acidentais nos vasos sanguíneos que suprem a medula espinhal com sangue

  • danos acidentais nos nervos quando eles são movidos durante a cirurgia

Morte

           Como em todos os tipos de cirurgia, existe o risco de morrer durante ou após a cirurgia de descompressão lombar, embora isso seja raro.

Um coágulo sanguíneo, um acidente vascular cerebral, um infarto cardíaco, enfim complicações clínicas diversas inclusive uma reação ruim ao anestésico e perda de sangue podem ser fatais.

2 visualizações